domingo, 17 de outubro de 2010

A última folha...

No lugar da árvore sã
Agora apenas o tronco
De um madeiro mirrado
Hibernando no tempo
Suspenso por uma folha
A última…
Árvore murcha
Hirta e silenciosa
Completamente à mercê dos ventos
O brilho aparente foi na seiva escorrida
A fluir num rio de ouro seco
Estenderam-se no tempo raízes duplas
A sombra é agora uma concha de trevas
Do mais genuíno breu
Pendem das hastes vestidas de secretos musgos
Recortes de passados
Suspensos por uma folha…
A última…



21 comentários:

  1. Lindíssimo e bem reflexivo teu texto!beijos,chica

    ResponderEliminar
  2. Olá querida

    Lindo poema, é uma bela saudação.

    Com muito carinho BJS.

    ResponderEliminar
  3. Minha querida
    Lindo...nostálgico, saído de dentro da alma.

    Pendem das hastes vestidas de secretos musgos
    Recortes de passados
    Suspensos por uma folha…
    A última…

    Como eu sei do que falas.

    Deixo o meu carinho e um beijinho.

    Sonhadora

    ResponderEliminar
  4. A última folha, o último sopro de vida, a recordar-nos a efemeridade das coisas.
    Mas, o que é certo, é que ao lado há sempre uma nova árvore a crescer...

    beijo :)

    ResponderEliminar
  5. Linda e melancólica poesia ...



    BjO Grande e um Domingo Iluminado.

    ResponderEliminar
  6. Flor Alpina

    Um poema, um louvor à árvore e ao Outono que completa o seu ciclo natural. No fundo, destaque para a mãe naureza.
    Gostei mesmo!
    Abraço

    ResponderEliminar
  7. A última folha terá o mesmo fim do que as que a precederam. Alimento!
    Levará consigo as saudades, mas antes de partir com uma brisa, irá pintar-se das mais belas cores da despedida e encantar o meu olhar terno e preso à sua natureza. Voarei, planarei com ela em pensamento e deixar-me-ei ir...
    Há árvores que assim parecem, apenas tronco, mas não morreram de pé, estarão
    apenas à espera da oportunidade de ganharem nova ramagem, para nos dar a sombra que um tempo só nosso precisa para se renovar também.

    Beijo e kandandos, querida amiga!

    Estarei feliz em Pully de 13 a 21/11, passeando a minha shnauzer e não há frio que me detenha de estar à beira do lago. Pura renovação.
    Incluo sempre uma ida a Les Bains de Lavey, antes de voltar a Portugal. Aí lavo a alma e aqueço o coração entre montanhas nevadas.

    ResponderEliminar
  8. Tenho dias que me sinto assim...como uma folha... a última folha desta árvore de família, que teimo em preservar neste contexto deste mundo que não é o meu...sim...porque cada vez me sinto mais aquém do que se passa à mimha volta.
    Linda foto, lindo sentir de alma que se assemelha ao meu sentir.
    Fiquemos com a seiva DELE e que nunca acabe em nós, essa força Divina.
    Abraço carinhoso
    Mer

    ResponderEliminar
  9. Olá!! Estava eu a ler o plano B adorei assim como este post, tirei lições do plano B e me apaixonei por este poema.
    com carinho
    HaNA

    ResponderEliminar
  10. Já me senti como esta folha um dia, mas hoje não. A sua poesia é muito rica e bela. As fotos também.

    ResponderEliminar
  11. DAS ÁRVORES
    (em Alegria Incompleta)

    Alegria incompleta onde as palavras
    nidificam entre pássaros e metáforas

    em cada madrugada tingem mais de pólen
    e sobressalto o empedrado das avenidas
    das solenes avenidas com bar ao fundo

    respiração avulsa e inquietude
    é quanto as árvores podem dar-nos
    se ainda tivermos tempo e fingimento

    Beijinho
    João

    ResponderEliminar
  12. Pois volte, quando quiser, assim como eu farei ao seu espaço que já estou seguindo.

    Beijos da cinzenta e chuvosa São Paulo!

    ResponderEliminar
  13. Belo post, belo trabalho!!

    Muito interessante teu espaço!!!

    PArabéns...

    Conheça o meu...
    http://mailsonfurtado.blogspot.com

    ResponderEliminar
  14. Ainda há mãos que vestem as noites de verão... mas já há pegadas sobre as amarelecidas folhas de outono!

    Beijos
    AL

    ResponderEliminar
  15. "Menina dos Alpes";

    Uma folha, uma última folha, que mais tarde se juntará a todas as outras para recomeçarem o ciclo que fertelizará a terra e que fará com que outras novas folhas cubram de verde as nossa montanhas, parques e jardins...
    Assim é a natureza, como belo é o poema que tu lhe dedicas.
    bjs, Flor, daqui de Genève.
    Osvaldo

    ResponderEliminar
  16. A ultima folha vai cair suavemente no vazio. E eu vou lá estar para a segurar e sentir a sua despedida...

    ResponderEliminar
  17. ola flor a ultima folha mas nao vai estar sozinha vai para junto das outras ,virao outras mais lindas e com mais força de viver beij flor.Ana

    ResponderEliminar
  18. Rebentará sempre outra folha...
    Beijo d'anjo

    ResponderEliminar
  19. "Recortes de passados.Suspensos por uma folha...a ultima..."

    Nada mais resta.Apenas recordaçôes se lê neste lindo poema
    Beijo

    ResponderEliminar
  20. A última... a mais resistente!
    Beijito

    ResponderEliminar